RIESLING

A Riesling é, senão a favorita, uma das minhas castas de eleição. Ao ponto de ter comprado uma edição de copos Riedel especialmente desenhada para esta casta. Sim, é para fanáticos…

Colocar o nariz dentro de um copo com Riesling é uma autêntica viagem de aromas e sabores que variam muito de acordo com o local de onde é originária e do tempo de vida que tem em garrafa.

Dizer que uma casta tem aroma a querosene talvez não seja muito apelativo num momento inicial, mas se forem como eu, que gosta daquele cheiro que se sente nas bombas de gasolina quando estão a abastecer o carro então vão perceber do que falo.

Nem todos os Riesling têm esta característica, a maior parte vai variar entre o frutado, cítrico e o resfrescante se forem secos, e frutas mais tropicais como ananás e manga , bem como aromas a mel se forem de um estilo mais doce.

Os vinhos Riesling podem aparecer-vos com 7,5% abv, o que se revela óptimo para beber numa esplanada a meio da tarde ou como aperitivo. Em outras versões, que podem chegar aos 12,5% abv, acompanham na perfeição comida asiática, com muitas especiarias e vegetais. E na altura da sobremesa garanto-vos que as papilas gustativas da vossa língua batem palmas com a doçura que esta casta pode atingir. Por vezes pode ser complicado com esta casta perceber se estamos perante um vinho seco ou doce antes de o provarmos. Uma dica que vos pode ajudar tem a ver com o teor alcóolico, quanto mais elevado for mais o açúcar da uva foi fermentado e quanto menor mais açúcar residual terá. A palavra Trocken no rótulo alemão significa que o vinho é seco.

riesling

 

Depois dos elogios rasgados que lhe faço, é importante dar-vos alguns dados sobre as zonas mais emblemáticas onde é cultivada e a forma como é classificada na Alemanha, que pode gerar alguma confusão.

Na região da Alsácia, em França, os aromas e sabores do Riesling distinguem-se dos Alemães, pela extraordinária capacidade da casta em reflectir as características das regiões onde é plantada. São geralmente secos, de corpo médio e com aromas cítricos e fruta de caroço (e.g. pêssegos, alperces). E também nestes vinhos, quando envelhecidos é possível encontrar os aromas mais apetrolados ou de mel. Por ser uma casta marcada pela sua acidez, os vinhos de grande qualidade produzidos a partir da Riesling, têm uma boa capacidade de envelhecimento.

Riesling

 

Na Alemanha a Riesling é a casta mais plantada (20%) e as regiões de Mosel, Rheingau e Pfalz encontram-se entre as principais produtoras. Os Riesling de Mosel são normalmente meio doces e com muita acidez, os de Rheingau têm um estilo seco e os de Pfalz meio seco. Vêem como é fácil viajar com esta casta?

 

Riesling

Mosel

 

A classificação Qualitätswein bestimmter Anbaugebiete, QbA, indica que os vinhos devem ser produzidos exclusivamente numa das treze regiões específicas: Ahr, Baden, Franken, Hessische Bergstraße, Mittelrhein, Mosel, Nahe, Pfalz, Rheingau, Rheinhessen, Saale-Unstrut, Sachen, e Württemberg.

A Prädikatswein indica que estamos perante vinhos com atributos especiais e classifica os vinho de acordo com o seu Prädikat que hierarquiza a quantidade de açúcar nas uvas na altura da colheita. Por ordem crescente os Prädikat são : Kabinett, Spätlese, Auslese, Beerenauslese (BA) , Eiswein e Trockenbeerenauslese (TBA).

 

riesling    riesling

Os Kabinett são vinhos de corpo ligeiro com muita acidez e notas de maçã verde. Os Spätlese, que significa colheita tardia, têm médio corpo e notas cítricas.Esta classificação não categoriza os vinhos como doces, ainda que nestes níveis o limite para um vinho seco seja a designação Auslese. A maioria dos Auslese é meio doce ou doce, encorpados e com notas de frutos tropicais. A partir daí os BA, Eiswein e TBA além de raros são também doces e, à excepção do Eiswein, são vinhos produzidos quando há existência do fungo que origina a podridão nobre, botrytis cinerea. O Eiswein como já aqui vos contei é vinho feito a partir de uva congelada.

riesling

 

Estas classificações não são exclusivas da Riesling, mas é  muito comum encontrá-las nos vinhos feitos a partir da mesma e espero que esta “breve” apresentação vos ajude a fazer uma melhor escolha no futuro. Em Portugal alguns produtores já começaram a plantar esta casta e há alguma seleção dos vários estilos e bons produtores alemães nalgumas garrafeiras em Lisboa, nomeadamente na Garrafeira Campo de Ourique, no Club d’El Gourmet e na Garrafeira Nacional. Os preços reflectem o facto de serem importados, mas havendo oportunidade não hesitem em ter um momento íntimo com a Riesling.